História

O Velhão

O complexo O Velhão em seu início

Imponente e fascinante. Misterioso.

São estas as primeiras impressões diante do conjunto arquitetônico que se ergue na estrada de Santa Inês, no coração da Serra da Cantareira.

Cercadas de verde, as construções são todas em material de demolição reciclado, num estilo que quase lembra cidadelas. Quase, porque há sempre um detalhe inusitado. Surpreendem pela beleza genuína e também por sua história.

Sr. Moacyr

Sr. Moacyr

Ali, Moacyr Archanjo dos Santos construiu um sonho, e este sonho nos leva a um passado que nenhum de nós viveu, mas onde todos se reencontram: visitar o Velhão é fazer uma insólita viagem no tempo.

Moacyr Archanjo dos Santos nasceu em Presidente Prudente, interior de São Paulo, onde permaneceu durante a infância. Aos 15 anos, já trabalhava em uma empresa de ônibus para ajudar a ampliar a renda de sua família. Em 1960, a empresa na qual trabalhava o transferiu para o centro de são Paulo, onde nem a corredia do dia a dia e o trabalho intenso o afastaram de sua paixão: a arte presente na arquitetura de são Paulo.

Durante todo tempo livre que possuía, e até mesmo no transitar de ida e volta para casa, visitava ou observava os casarões antigos, as igrejas, os monumentos da cidade e as linhas de bonde que ainda existiam no inicio dos anos 60. Neste mesmo período, iniciou seu acervo, visto que, nessas muitas andanças pela cidade, adquiria aqui ou ali peças de demolição que julgava ser “material artístico”.

O Casal e um de seus filhos

O Casal e um de seus filhos

No trabalho, Moacyr conheceu Iracema Rodrigues, com quem se casou e teve três filhos: Ubirajara, Ubiratã e Eliane.

Entre 1977/1978, depois de muito protesto familiar, deu início ao complexo com a compra de um lote de 3.000m2, e a construção de um casarão e uma oficina. Isto no meio do nada, pois, na época, a estrada de Santa Inês mal asfaltada era. E fez real seu sonho. Grande visionário de uma loja que fosse autossuficiente, trabalhando com o que então era lixo e descarte para a maioria das pessoas…

Dona Iracema

Dona Iracema

Foi adquirindo mais lotes, expandindo seu acervo e sempre ladeado por sua esposa e atual proprietária ‘IRACEMA’, a peça fundamental para o atual funcionamento e continuidade de “O Velhão”. Moacyr veio a falecer em 2001.

Desde então, Iracema foi capacitando jovens aprendizes da comunidade local para as oficinas de marcenaria e serralheria. Por conta disso, Dona Iracema construiu uma cozinha para uso exclusivo dos funcionários. Com o descobrimento desta cozinha começaram a surgir clientes e, ao perceber o interesse que havia surgido, resolveu-se transformar a cozinha num legítimo restaurante, denominado de As Véia.

Algumas Curiosidades:

• O nome “O Velhão” e “As Véia” faz referência ao casal fundador de todo o complexo Moacyr e Iracema.
• Atualmente todo o complexo é administrado pela Dona Iracema.